Itamaraty espera que transição no Egito respeite liberdades políticas e civis

Ministério das Relações Exterioresdivulgou uma nota oficial com o posicionamento brasileiro a respeito da situação política no país

Agência Estado,

11 de fevereiro de 2011 | 17h09

BRASÍLIA - O Ministério das Relações Exteriores (MRE) acaba de divulgar nesta sexta-feira, 11, uma nota oficial com o posicionamento brasileiro a respeito da situação política no Egito. No texto, o Itamaraty destaca que o Brasil espera que o processo de transição política ocorra com respeito às liberdades políticas e civis e aos direitos humanos.

 

Veja também:

especialInfográfico: A lenta agonia de Hosni Mubarak

blog Cronologia: O dia a dia da crise egípcia

blogTempo Real:Acompanhe no Radar Global e no Twitter (@inter_estadao)

lista Perfil: 30 anos de um ditador no poder

 

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, que está em Nova York para um encontro na ONU, relacionou as revoltas no Oriente Médio às disputas entre palestinos e israelenses.

 

"A frustração da juventude em países árabes como o Egito e a Tunísia também se relaciona até certo ponto com os impasses nas relações entre israelenses e palestinos, que se prolonga há vários anos, com a ausência de progresso", disse o ministro que presidiu uma reunião do Conselho de Segurança na sede das Nações Unidas em Nova York.

 

Segundo Patriota, que embarca nesta sexta para o Haiti, houve uma pressão "ontem para a retomada das negociações de paz nas conversas na ONU" e disse ser possível, "conforme disse Barack Obama", que um Estado palestino seja criado ainda neste ano.

 

Segue, abaixo, a íntegra da nota do Itamaraty:

 

"Ao tomar conhecimento dos recentes acontecimentos no Egito, o Brasil manifesta sua expectativa de que a transição política naquele país transcorra dentro do respeito às liberdades políticas e civis e aos direitos humanos da população, em ambiente de paz e tranquilidade.

 

O Brasil acompanha com grande interesse a evolução da situação política no país amigo, que, além de parceiro relevante, desempenha papel importante para a estabilidade do Oriente Médio.

 

Ao solidarizar-se com a população egípcia na busca da realização de suas aspirações, o Brasil reafirma sua confiança de que as lideranças políticas da sociedade egípcia saberão fazer face a este momento de novas oportunidades e desafios, em ambiente de entendimento e de diálogo democrático.

 

Em Nova York para presidir sessão do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a Interdependência entre Segurança e Desenvolvimento, o Chanceler Antonio de Aguiar Patriota está em consulta com o Secretário-Geral das Nações Unidas e com os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas para avaliar o impacto dos acontecimentos no Egito sobre a estabilidade no Oriente Médio."

 

Leia ainda:

linkEgito está livre', comemoram opositores

linkIsrael pede respeito a acordo de paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.