Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional
Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional

Itamaraty ignora pedido do PSOL sobre visita de suplente do PSL envolvido no caso Itaipu

Ivan Valente fez o pedido de informações por meio de seu gabinete na Câmara e também via Lei de Acesso à Informação

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2019 | 16h00

O Ministério das Relações Exteriores não respondeu a um pedido de informações feito pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP) sobre a presença do empresário Alexandre Giordano, suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP), e do presidente da Léros, Kleber Ferreira, nas dependências do Itamaraty ou em reuniões governamentais bilaterais ou multilaterais.

Valente fez o pedido de informações por meio de seu gabinete na Câmara e também via Lei de Acesso à Informação no dia 6 de agosto, pouco depois de o caso envolvendo a comercialização de energia excedente de Itaipu vir à tona. No dia 21 o MRE disse ao deputado que “as pessoas citadas não são servidores do MRE, não estando, portanto, submetidas ao controle de registro do ponto eletrônico”.

A mensagem partiu da Secretaria de Gestão Administrativa do Itamaraty. Na terça-feira foi revelado que Giordano esteve no Palácio do Planalto no dia 27 de fevereiro, um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro ter se encontrado com o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, na cerimônia de posse do doretor brasileiro de Itaipu.

Para Entender

Como o nome de Bolsonaro foi envolvido no escândalo de Itaipu no Paraguai

Assessor de vice paraguaio usou nome da família do presidente em negócio de venda de energia para empresa brasileira, representada por suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP)

O deputado do PSOL disse que vai recorrer da resposta do MRE. A assessoria do Itamaraty foi procurada para responder se a pasta possui registro apenas dos funcionários ou de todas as pessoas que entram em suas dependências, mas não respondeu até a publicação desta reportagem.

Nesta quarta-feira, 28, Valente e o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ), protocolaram um requerimento junto à Comissão de Relações Exteriores da Câmara para que Giordano e Kléber sejam ouvidos. A comissão, presidida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), já aprovou convites aos ministros Ernesto Araújo (MRE) e Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, de Minas e Energia, para falar sobre o caso. 

Suplente do PSL falava em nome de Bolsonaro, diz assessor

O ex-assessor da vice-presidência do Paraguai José 'Joselo' Rodríguez– apontado como lobista na tentativa de venda de energia da Usina de Itaipu para a empresa brasileira Léros – disse em entrevista à imprensa paraguaia nesta quarta-feira, 28, que o empresário Alexandre Giordano falava nas negociações em nome do governo brasileiro. 

“Em todas as conversas com a empresa brasileira, a primeira coisa que faziam era dizer que tinham apoio da alta cúpula do governo brasileiro para obter a autorização para importar energia”, disse Rodríguez à Rádio ABC Cardinal. “Isso disseram não apenas a mim, mas na reunião pública também. 

Questionado se Giordano disse que a Léros estaria vinculada à família do presidente Jair Bolsonaro, o ex-assessor respondeu que sim. “Não disseram isso só a mim, mas a todos os demais.”

Para Entender

Guia sobre a crise entre Brasil e Paraguai por causa da energia produzida em Itaipu

Novo acordo sobre hidrelétrica binacional assinado por Brasília e Assunção levou oposição a pressionar por impeachment do presidente Mario Abdo Benítez

Giordano esteve no Planalto e viajou ao Paraguai

Suplente do senador Major Olímpio (PSL-SP)Giordano esteve no Palácio do Planalto um dia depois de o presidente  visitar Itaipu, em fevereiro. Ele viajou duas vezes ao Paraguai no primeiro semestre para discutir a compra de energia excedente de Itaipu para a Léros  num jatinho da empresa– o que é ilegal, segundo a CPI que apura o caso no Paraguai. 

A primeira viagem de Giordano ao Paraguai ocorreu em 9 de abril juntamente com Adriano Tadeu Deguimerndjian Rosa, executivo da Léros e o advogado Cyro Dias Lage Neto, além de dois tripulantes. Eles voltaram a Foz do Iguaçu no mesmo dia. A segunda viagem ocorreu em 25 de junho. 

Crise começou com vazamento de mensagens

A crise em Itaipu começou quando mensagens de celular vazadas para a imprensa revelaram que o governo do presidente Mario Abdo Benítez aceitou um acordo lesivo ao país nas negociações com o Brasil. O escândalo quase levou ao impeachment de Abdo Benítez e só perdeu força depois de Bolsonaro anunciar a anulação do acordo. 

Em paralelo, veio à público a informação de que a vice-presidência paraguaia pressionou a Ande, a estatal elétrica paraguaia, para vetar um artigo do acordo que dificultaria a venda de energia exclusivamente para a Léros. Nas conversas entre Joselo e a Ande, apareceu o nome de Giordano. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.