William Urdaneta/Reuters
William Urdaneta/Reuters

Itamaraty nega envolvimento brasileiro em ataque a bases militares na Venezuela

Membros da Guarda Bolivariana e indígenas invadem quartel e posto policial na fronteira com o Brasil

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2019 | 12h02

BRASÍLIA  – O Ministério de Relações Exteriores (MRE) negou nesta segunda-feira, 23, em nota, o envolvimento do Brasil na invasão a um destacamento das Forças Armadas da Venezuela. Um militar leal ao regime de Nicolás Maduro morreu durante o confronto que ocorreu. “O Brasil nega qualquer envolvimento no episódio”, respondeu o Itamaraty ao ser questionado pelo Estadão/Broadcast.

Membros da Guarda Nacional Bolivariana, apoiados por um grupo de indígenas reservistas do Exército, se sublevaram neste domingo, 22, e roubaram dezenas de armas no Estado de Bolívar, na fronteira com o Brasil. 

Após o episódio, o ministro de Comunicação da Venezuela, Jorge Rodríguez, disse em sua conta no Twitter, sem oferecer provas, que os envolvidos “foram treinados por paramilitares na Colômbia e receberam a colaboração do governo de Jair Bolsonaro”.

Segundo Ricardo Delgado, ex-prefeito de Gran Sabana, os insurgentes, que tomaram um comandante como refém, pertencem ao batalhão 513 Mariano Montilla, localizado na cidade de Luepa, que fica na divisa com a cidade brasileira de Pacaraima.

O jornalista Román Camacho disse em sua conta no Twitter que os oficiais tomaram o 5102 Esquadrão de Cavalaria Motorizado em Santa Elena de Uiarén, de onde levaram 112 fuzis AK 103 e munição, além de um caminhão. Depois, assaltaram um posto policial em San Francisco de Yuruaní e levaram nove pistolas e cinco fuzis.

Durante a fuga, os rebeldes passaram por um ponto de controle militar, onde ocorreu um confronto. Um soldado morreu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.