Itamaraty pede cautela aos turistas brasileiros em Bali

A Baixada do Brasil em Jacarta, naIndonésia, aconselhou os brasileiros residentes e turistas empasseio na ilha de Bali a tomarem medidas de cautela como, porexemplo, evitar shopping-centeres e outros locais frequentadoshabitualmente por estrangeiros.Apesar de indicar os temores de que novos atentadosterroristas venham a ocorrer em Bali, a assessoria deComunicação Social do Itamaraty explicou que a iniciativa doBrasil é mais moderada que a de outros países. A Austráliachegou a cogitar a retirada de todos os seus cidadãos da ilhaindonésia. Hoje, os legistas australianos que coordenam os trabalhos deidentificação das vítimas fatais dos atentados do último sábadoinformaram que, em alguns casos, a tarefa poderá demandar atétrês meses. Conforme informou a embaixada brasileira aoItamaraty, a equipe estabeleceu quatro etapas para a liberaçãodos corpos, dependendo do estado de conservação. A primeira,incluirá os que podem ser identificados imediatamente. A segunda exigirá até três semanas de trabalho. A terceira, demandarátrês meses. Por fim, restarão os casos de identificaçãoimpossível - aqueles em que não haverá nem mesmo como realizarexames de DNA. O Itamaraty informou ainda que continuam declarados comodesaparecidos o sargento Marco Antonio Faria e o civil AlexandreWatake. De acordo com o relato do embaixador do Brasil emJacarta, Carlos Eduardo Sette-Câmara, a mulher de Watake, Mônica teria desembarcado hoje em Bali, para empreender uma buscaparalela e para acompanhar os resultados dos trabalhos doslegistas. Tarefa similar vem sendo empreendida por umfuncionário da embaixada brasileira, Braulio Gomes. A assessoria do Itamaraty informou ainda que não há nenhumaindicação de que haja brasileiros entre as vítimas no atentadoque ocorreu ontem em Zamboanga, nas Filipinas. Cerca de 120brasileiros residem nesse país. O Itamaraty também informou queo Brasil não se somou aos países que fizeram alertas a seuscidadãos residentes em Taiwan, por conta de suspeitas do governolocal de que possam ocorrer atentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.