Sonny Tumbelaka/AFP
Sonny Tumbelaka/AFP

Itamaraty pede que brasileiros em Bali sigam orientações sobre vulcão

Ministério das Relações Exteriores pede também que turistas e brasileiros residentes na ilha evitem permanecer em áreas próximas ao Monte Agung e mantenham contato frequente com a família no Brasil

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

28 Novembro 2017 | 17h24

O Itamaraty orientou brasileiros residentes ou em viagem de turismo na ilha de Bali, na Indonésia, a permanecer abrigados e atentos às orientações das autoridades locais sobre o nível de atividade do vulcão Agung, cujo aumento de atividade nos últimos dias levou ao fechamento do Aeroporto de Bali e o governo a enviar até 40 mil pessoas de áreas próximas à montanha para abrigos provisórios

+Hotéis na Indonésia dão diárias grátis a turistas presos por vulcão

O Ministério das Relações Exteriores pede também que turistas e brasileiros residentes na ilha evitem permanecer em áreas próximas ao Monte Agung e demais montanhas da região e recomenda que os cidadãos do País mantenham contato frequente com a família no Brasil.

“A orientação geral permanece sendo para que todos fiquem atentos às instruções divulgadas pelas autoridades do país, sobretudo o Ministério de Energia e Recursos Naturais e o Centro de Mitigação de Perigo Vulcânico e Geológico (PVMBG) (http:www.vsi.esdm.go.id/), bem como a Agência Nacional de Mitigação de Desastres (BNPB)”, disse a chancelaria brasileira em nota

De acordo com o Itamaraty, 12 mil turistas brasileiros visitaram a Ilha de Bali em 2016, mas não há números atuais sobre quantos cidadãos do País estão no local.

Ao Estado, a brasileira Manu Lopes, que vive em Bali, mas a 80 km do vulcão, disse estar monitorando a situação. “Por enquanto, ele está soltando muita fumaça, mas ainda não chegou até nós”, disse. 

O alerta das autoridades indonésias envolve pessoas que vivem num raio de até 10 km do Agung. 

A brasileira Sayuri Miyanishi, de 29 anos, que está a passeio em Bali, disse que teve o voo de volta ao Japão, onde mora, remarcado. Previsto para esta terça-feira, o embarque foi adiado para madrugada de quinta-feira. "Chegando lá (ao aeroporto) o painel marcava todos os voos cancelados", disse Sayuri, que está em Bali há 21 dias.

"Estava cheio de mesas com muitas companhias atendendo e muita fila", diz a brasileira. Sayuri está em região segura, a 20 minutos do aeroporto, mas diz estar ansiosa. "Confesso que estou bem apreensiva porque não sei como vai ficar essa situação. Já havia me programado pra ir embora, já estava com as malas prontas", disse. 

"Tenho medo de não abrir o aeroporto. E o dinheiro está acabando. Isso dá mais preocupação", contou. Apesar da preocupação, ela relatou que o clima em Bali é de tranquilidade. "Os locais não mostram nenhum tipo de preocupação." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.