Itamaraty tenta facilitar saída de brasileiros da Líbia

O Itamaraty está tentando facilitar a saída de brasileiros que querem deixar a Líbia por conta da onda de protestos e violência que atinge o país, mas não há, por enquanto, a previsão de envio de aviões para repatriação. Nesse momento, a embaixada brasileira tenta obter a autorização de pouso para um avião fretado pela construtora Queiroz Galvão, que quer tirar de Bengazi - onde se concentram as maiores manifestações - alguns de seus funcionários e famílias.

LISANDRA PARAGUASSU, Agência Estado

20 de fevereiro de 2011 | 17h33

As informações repassadas pelo embaixador George Ney de Souza Fernandes ao Ministério das Relações Exteriores são de que a situação em Trípoli, a capital líbia, é tranquila e maior parte dos brasileiros no país deve continuar na cidade. O grupo de funcionários da Queiroz Galvão também deve ser levado para a capital e de lá decidirão se voltam ou não para o Brasil.

Outras três empresas brasileiras atuam na Líbia nesse momento: as construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez e a estatal Petrobras. Ao todo, cerca de 600 brasileiros estariam nesse momento no país. No entanto, apenas a Queiroz Galvão está na área de conflitos. Ainda assim, na última semana, a Odebrecht se retirou de Trípoli.

A embaixada tem trabalhado para apressar o trâmite e obter vistos de saída para os brasileiros que desejam deixar a Líbia e, por enquanto, não houve problemas nos aeroportos. Em Trípoli, os voos internacionais têm saído regularmente. Também há voos domésticos funcionando inclusive para Bengazi, a região dos conflitos.

No sábado, o embaixador George Ney esteve na região para verificar os problemas que a Queiroz Galvão estaria enfrentando, mas a empresa já havia tomado a iniciativa de fretar um avião e retirar parte de seus funcionários. Além de brasileiros, há também turcos, vietnamitas e portugueses, entre outros.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaEuropaprotestosItamaraty

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.