Itamaraty vê com ‘preocupação’ denúncia de espionagem de brasileiros

Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos teria monitorado, na última década, milhões de telefonemas e e-mails de brasileiros; ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, reforçou a intenção do governo de cobrar explicações aos EUA

atualizado às 17h41, Agência Estado

07 de julho de 2013 | 14h45

BRASÍLIA - O governo brasileiro recebeu com "grave preocupação" as informações sobre a denúncia de que cidadãos do Brasil teriam sido alvo de espionagem por parte do governo norte-americano, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, neste domingo, 7.

Patriota reforçou a intenção do governo de cobrar explicações dos Estados Unidos sobre a informação de que brasileiros eram espionados pela Agência de Segurança Nacional norte-americana nos últimos dez anos, como revelou o jornal O Globo, neste domingo, a partir de dados de documentos coletados pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.

Segundo o ministro, foram acionados o embaixador brasileiro em Washington e também o embaixador americano em Brasília.

"O governo brasileiro recebeu com grave preocupação o problema", disse Patriota, que leu uma declaração, no início desta tarde, em Paraty.

O chanceler também afirmou que o Brasil vai propor medidas às Nações Unidas para criar normas para proteger a privacidade de cidadãos em todo o mundo.

"O governo brasileiro promoverá no âmbito da União Internacional de Telecomunicações o aperfeiçoamento das regras. O Brasil deverá propor às Nações Unidas a iniciativa de proibir abusos e invasão das informações dos usuários da rede de comunicações para garantir segurança cibernética que proteja os direitos dos cidadãos e preserve a soberania dos países", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de o governo já dispor dos dados em posse dos jornalistas do Globo, Patriota afirmou que medidas nesse sentido já foram tomadas. Também perguntado sobre o conhecimento das companhias telefônicas brasileiras a respeito da espionagem, Patriota afirmou que o ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, está encarregado da tarefa e que dará mais informações.

Reportagem publicada na edição deste domingo do jornal O Globo afirma que Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês), monitorou, na última década, milhões de telefonemas e e-mails de pessoas residentes ou em trânsito no Brasil. A informação foi revelada pelo ex-analista da NSA Edward Snowden.

De acordo com o texto, o País aparece em destaque nos mapas da NSA como prioridade no tráfego de telefonia e dados, ao lado da China, Rússia, Irã e Paquistão.

Não há números precisos sobre o fluxo de monitoramento de mensagens no Brasil, segundo a reportagem. No entanto, "em janeiro passado, o Brasil ficou pouco atrás dos EUA, que teve 2,3 bilhões de telefonemas e mensagens espionados". A NSA foi criada nos anos 50, durante a Guerra Fria, para espionar comunicações de outros países, decifrando códigos governamentais, e desenvolver sistemas de criptografia para o governo norte-americano.

Tudo o que sabemos sobre:
ItamaratyEUAespionagemBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.