Kim Ju-hyoung/Yonhap via AP
Kim Ju-hyoung/Yonhap via AP

Ivanka Trump põe um pé na diplomacia em visita à Coreia do Sul

A visita de Ivanka também é vista como uma chance para o governo americano manifestar solidariedade à Coreia do Sul

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 21h40

Ivanka Trump, a filha mais velha do presidente americano, agora também atua como representante de Donald Trump no exterior. Ele decidiu enviar Ivanka, fã de esportes de inverno, à cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Pyeongchang, na Coreia do Sul, após Kim Yo-jong, irmã do líder norte-coreano, representar Kim Jong-un na abertura da Olimpíada, no dia 9. 

+ EUA punem empresas que ajudam Coreia do Norte a burlar sanções

Ivanka foi recebida na sexta-feira, 23, pelo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, para um jantar na Casa Azul. A Coreia do Sul, que busca encorajar negociações diretas entre Washington e Pyongyang, espera que a “primeira-filha” leve esse recado aos EUA. 

+ Trump ameaça Coreia do Norte com 'fase dois' caso sanções falhem

A visita de Ivanka também é vista como uma chance para o governo americano manifestar solidariedade à Coreia do Sul. “É possível que Ivanka tente fazer pelos EUA o que Kim Yo-jong fez pela Coreia do Norte”, disse Mintaro Oba, ex-diplomata americano. “Tanto Ivanka quanto Kim Yo-jong têm influência e sabem como atrair a atenção da mídia ao representar os líderes que provocam uma série de controvérsias.”

As comparações entre a família Trump e a dinastia Kim já eram feitas antes da viagem de Ivanka, que visitará um campo de refugiados norte-coreanos como parte dos esforços para chamar a atenção para a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte. / AP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.