AFP / JIM WATSON
AFP / JIM WATSON

Ivanka Trump será funcionária não remunerada da Casa Branca

A filha mais velha do presidente, que atuará como conselheira, decidiu formalizar o cargo depois de ser criticada por especialistas em ética

O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 21h59

WASHINGTON - Ivanka Trump, a filha mais velha do presidente Donald Trump, vai se tornar uma nova funcionária do governo, juntando-se a seu marido, Jared Kushner, que trabalha como assessor sênior presidencial na Casa Branca.

Ivanka, de 35 anos, já tem um escritório na Ala Oeste. Ela disse na semana passada que atuaria como uma conselheira informal de seu pai. Mas o plano atraiu críticas de especialistas em ética, segundo os quais isso lhe permitiria ficar livre de algumas regras do governo.

Dois senadores democratas, Elizabeth Warren e Tom Carper, enviaram uma carta ao Escritório de Ética do Governo questionando o crescente peso de Ivanka na Casa Branca.

"Atendendo às preocupações de algumas pessoas sobre minha capacidade de seguir voluntariamente regras de ética ao assessorar meu pai, decidi trabalhar como funcionária sem salário na Casa Branca, sujeita às mesmas regras que outros servidores federais", disse Ivanka nesta quarta-feira em um comunicado. O cargo de Ivanka será o de assessora do presidente. Ela já havia se afastado de papéis de gerência nas empresas da família.

"Estamos satisfeitos com o fato de que Ivanka Trump escolheu dar esse passo em seu papel sem precedentes de 'primeira-filha' e conselheira do presidente", disse uma porta-voz presidencial em um e-mail. "O papel de Ivanka como funcionária não remunerada reforça nosso compromisso com a ética e a transparência", acrescentou o texto.

O advogado de Trump, Jamie Gorelick, disse que ela apresentará suas declarações financeiras exigidas de todos os funcionários federais e estará sujeita às regras de ética do governo.

Desde que Trump assumiu a presidência, em 20 de janeiro, Ivanka tem estado muito perto do núcleo de poder americano. Ela participou de numerosos encontros com líderes estrangeiros, entre eles a chanceler alemã, Angela Merkel.

Nos bastidores da Casa Branca dizem que Ivanka foi a responsável por Trump adotar um tom mais comedido em seus pronunciamentos, embora ele não tenha revelado nenhuma mudança em suas políticas. / NYT e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.