Ivanov recebe Amorim e defende acordo pacífico

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Igor Ivanov, fez um alerta contra um ataque ao Iraque, afirmando que a crise ainda pode ser resolvida pacificamente por meio do trabalho dos inspetores internacionais. "O uso da força é uma medida extrema que só pode ser aplicada depois de esgotadas todas as outras opções", disse Ivanov depois de se reunir com o chanceler brasileiro, Celso Amorim, que visita Moscou. "A última sessão do Conselho de Segurança da ONU mostrou mais uma vez que as oportunidades para um acerto político estão longe de terem sido esgotadas." Ivanov disse aos jornalistas que "o trabalho dos inspetores internacionais no Iraque mostrou sua eficiência e capacidade de cumprir a tarefa determinada pelo Conselho de Segurança da ONU". A Rússia vem defendendo um acordo pacífico para a crise e, junto com a França, a Alemanha e a China, apoiou a ampliação da missão dos inspetores da ONU no Iraque. Ivanov reiterou hoje que Moscou está pronto para considerar uma nova resolução do Conselho de Segurança se necessário para "fortalecer a eficácia do trabalho dos inspetores e contribuir para um acordo político". Ele acrescentou que a apresentação de uma nova resolução não foi discutida na reunião do Conselho de Segurança de sexta-feira. Enquanto isso, uma delegação russa com dezenas de parlamentares, incluindo o líder do Partido Comunista, Gennady Zyuganov, jornalistas e acadêmicos chegou hoje ao Iraque para uma visita de três dias com o objetivo de destacar a oposição de Moscou ao uso da força, informou a agência de notícias Interfax.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.