Iwo Jima registra primeira morte desde a 2ª Guerra

Autoridades suspeitam que major japonês teria sofrido um derrame enquanto supervisionava túneis

AE/AP (Patricia Lara),

25 de outubro de 2008 | 12h25

Um major japonês morreu enquanto visitava um túnel de guerra em Iwo Jima. Foi a primeira morte na ilha japonesa desde o fim da 2ª Guerra Mundial, segundo informaram autoridades neste sábado. O major de 45 anos foi visto pela última vez quando consertava um desmoronamento no caminho de entrada para um bunker, durante sua visita ao local na quinta-feira, informou um representante das Forças de Auto Defesa em Terra da Escola Fuji, onde o major era um instrutor.    Outros instrutores que estavam mais à frente no mesmo túnel o encontraram no chão quando voltaram para a entrada após cerca de uma hora, disse uma autoridade sem revelar a sua identidade.   O major foi transportado para o hospital de defesa de Tóquio, onde foi declarado morto. O corpo seria submetido a uma autópsia para determinar as causas da morte, mas autoridades suspeitavam que o major teria sofrido um derrame. O grupo estava inspecionando a área antes de uma viagem anual escolar agendada para o próximo mês com o intuito de ensinar história da Guerra da Coréia.   Durante a batalha de Iwo Jima em 1945, mais de 20 mil japoneses e cerca de 7 mil norte-americanos morreram. Estudiosos afirmam que vários soldados japoneses teriam morrido por causa do calor durante a escavação de túneis e bunkers na ilha para resistirem à invasão norte-americana. Iwo Jima é um monte vulcânico e dentro dos túneis a temperatura atingia os 50 graus.   Após a ocupação norte-americana, Iwo Jima voltou ao controle japonês em 1968 e é, atualmente, uma base militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.