Já são 182 os mortos em ataque na ilha de Bali

O atentado a bomba contra uma discoteca e um bar-restaurante na ilha de Bali, ocorrido na noite deste sábado, já deixou pelo menos 182 mortos e 132 feridos. Muitas das vítimas são cidadãos estrangeiros - britânicos, australianos e norte-americanos ? uma vez que a ilha é um destino turístico muito procurado. O número de vítimas fatais ainda deve aumentar, uma vez que as equipes de socorro continuam retirando cadáveres dos escombros. Uma segunda bomba explodiu há cerca de 100 metros do consulado norte-americano em Denpasar, capital de Bali, mas ninguém ficou ferido. A explosão mais intensa ocorreu no interior do clube noturno Sari, o mais conhecido e procurado por turistas estrangeiros na região da praia de Kuta. A explosão foi seguida de um incêndio que consumiu rapidamente o clube e a discoteca vizinha, e que durou mais de três horas antes de ser debelado pelos bombeiros. Em uma coletiva de imprensa realizada neste domingo, o porta-voz da polícia de Jacarta, capital do país, informou que o atentado foi cometido com um carro-bomba. A polícia admitiu também que o ato foi, provavelmente, obra de terroristas.Nenhuma organização terrorista reivindicou imediatamente a autoria das explosões em Bali. Há dois anos, no último atentado de grande porte cometido na Indonésia, uma bomba explodiu na frente da Embaixada das Filipinas em Jacarta, matando duas pessoas e ferindo mais de dez, incluindo o embaixador filipino. Bali é o último reduto do hinduísmo da Indonésia, considerado o maior país muçulmano do mundo. Desde os ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA, funcionários indonésios têm rechaçado com veemência relatórios de serviços de inteligência estrangeiros, segundo os quais o país abriga células ativas da organização terrorista Al-Qaeda, liderada por Osama bin Laden. No mês passado, aniversário de um ano dos ataques às torres gêmeas, a embaixada americana e o consulado da cidade de Surabaya fecharam durante seis dias, com medo de sofrerem atentados relacionados com a Al-Qaeda.Repercussões internacionais - Várias horas depois do incidente, as autoridades indonésias não tinham conseguido ainda estabelecer com segurança a identidade e a nacionalidade das vítimas. Em Washington, uma porta-voz do Departamento de Estado americano afirmou que a Casa Branca ainda não tinha recebido informações sobre cidadãos do EUA afetados pelos ataque e só se manifestaria depois de conhecer esses dados. A Austrália decidiu enviar um avião militar com uma equipe médica para ajudar os hospitais locais e evacuar os australianos feridos.Este domingo, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, se declarou ?horrorizado? pelo ocorrido. Segundo uma declaração sua lida por um porta-voz, Blair afirmou que ?condena absoluta e totalmente este horroroso ataque terrorista? e manifesta ?sua solidariedade com as famílias dos mortos e feridos?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.