Já são 26 os mortos no atentado a ônibus em Honduras

Aumentou para 26 o número de mortes no atentado a tiros, no início da noite de quinta-feira (23h de Brasília), por um suposto grupo terrorista, contra um ônibus urbano da cidade de San Pedro Sula, em Honduras, informaram fontes policiais. Imediatamente após o atentado, o presidente Ricardo Maduro disse, em cadeia nacional de rádio e televisão, que não descansará enquanto os culpados não forem castigados.Maduro, que estava com seus ministros de Segurança, Oscar Alvarez, e da Defesa, Federico Brevé, disse também que "este foi um ataque não contra pessoas, nem contra um partido, nem contra alguém em particular como anuncia um cartaz deixado covardemente no local. Este é um ataque contra todos os hondurenhos", acrescentando que castigará os responsáveis "com todo o peso da lei". Maduro, Álvarez e Brevé viajaram ontem à noite mesmo a San Pedro Sula, no norte de Honduras, para dirigir pessoalmente as operações. As pessoas mortas eram todas humildes, que regressavam para casa, vindas do trabalho. San Pedro Sula é a segunda cidade em importância do país. A Suprema Corte de Justiça e o Ministério Público já ordenaram que juízes e fiscais estejam à disposição das autoridades policiais para iniciar imediatamente as ações judiciais contra os responsáveis pelo massacre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.