Já são 500 os soldados dos EUA mortos desde o "fim dos combates"

Chegou hoje a 500 o número de militares americanos mortos no Iraque desde 1º de maio do ano passado, quando o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, anunciou, a bordo de um porta-aviões, que a fase de combates em larga escala no Iraque estava "encerrada". Desde o começo da invasão do Iraque, em 20 de março de 2003, 639 militares dos EUA morreram no país árabe.Hoje, o comandante da 1ª Divisão dos Fuzileiros Navais, general James Mattis, confirmou que 12 fuzileiros navais morreram ontem à noite em combates na cidade Ramadi, capital da província iraquiana de Ambar.Em Faluja, cinco fuzileiros navais morreram no confronto com a guerrilha iraquiana. Em Bagdá, um soldado da 1ª divisão blindada foi morto por uma granada propelida por foguete quando guardava uma delegacia de polícia. Na cidade de Kut, no sul do Iraque, um mercenário sul-africano foi morto por xiitas. Ao todo, a coalizão liderada pelos EUA contabiliza 742 militares mortos no Iraque desde o começo da guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.