Já são 9 mortos por remédios falsificados na China

Nove pessoas morreram na província chinesa de Cantão por causa de um medicamento falsificado, em um caso que levou o primeiro-ministro Wen Jiabao a ordenar uma inspeção geral das empresas farmacêuticas do país.O caso foi revelado em 15 de maio, quando as autoridades locais confirmaram que quatro pessoas tinham morrido e seis estavam em estado grave após serem tratadas com injeções produzidas pela Farmacêutica número 2 de Qiqihar que continham um ingrediente falsificado.Ao invés vez de incluir glicol de propileno, a vacina continha diglicol de propileno, um material industrial que provoca graves problemas de rim e inclusive a morte por falha renal.Segundo fontes do Terceiro Hospital de Guangzhou, pelo menos 64 pacientes foram tratadas no centro com o remédio falsificado."Os responsáveis diretos do incidente e os que não cumprirem com suas obrigações de supervisão serão castigados", advertiu Wen na sexta-feira, após ordenar uma investigação para esclarecer o fato e uma inspeção geral do setor farmacêutico na busca de remédios falsos.Quatorze empregados da companhia Qiqihar estão sob custódia e cinco de seus diretores foram levados para Cantão para serem interrogados, segundo Xinhua.Na China, existem 6.700 empresas no setor farmacêutico, das quais 5.200 são muito pequenas e pouco competitivas, e apenas 15% contam com o certificado GMP dos EUA, que garante um nível de controle e qualidade aceito internacionalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.