Já são 94 os mortos pelas chuvas na Europa

A polícia evacuou nesta quarta-feira o setor histórico de Praga, mas deixou que os turistas voltassem à praça central quando a ameaça de inundação parecia estar próxima da capital checa, tragédia que toma conta de outras localidades da Europa. Mais cinco pessoas morreram na Alemanha, elevando o número de mortos no continente para 94, incluindo nove checos. As equipes de emergência montaram barreiras com sacos de areia para tentar impedir que as águas do Rio Moldava chegassem ao centro de Praga, afetado pela pior chuva desde 1890. Apesar de uma trégua das chuvas, possibilitando que o nível do rio subisse numa velocidade um pouco menor, os ventos fortes sacudiram a capital checa ameaçando as barricadas. As autoridades da vizinha Eslováquia declararam ?estado de emergência? hoje na capital Bratislava, onde o Rio Danúbio crescia perigosamente, disse a agência de notícia checa CTK. Houve vários cortes de energia elétrica e algumas pessoas tiveram que usar botes para ir ao trabalho. As cinco mortes divulgadas hoje na Alemanha elevaram o número de vítimas fatais a sete no país, incluindo as vítimas que morreram afogadas na zona de Dresde. As águas agitadas isolaram alguns povoados no estado alemão de Saxônia e alagaram partes de Dresde, incluindo a famosa ópera Semper-Opera e o Palácio de Zwinger, que abriga uma célebre coleção de pinturas renascentistas. Grupos de voluntários levaram sacos de areia ao centro histórico da cidade para conter o Rio Elba. Milhares de checos já fugiram das enchentes do Rio Moldava e dezenas de rios menores, em meio às chuvas torrenciais que assolam o centro e o leste da Europa durante uma semana e meia. Cerca de 70.000 habitantes de Praga, cidade de um milhão de moradores, deixaram suas casas, disseram as autoridades. Sirenes soavam nas ruas desertas durante a evacuação enquanto as águas chegavam a meio metro das barreiras e roçavam nas portas do sótão do Teatro Nacional, onde trabalhadores tentaram salvar documentos. Na Áustria, onde morreram pelo menos sete pessoas, os bombeiros e voluntários da Cruz Vermelha empilharam sacos de areia para resistir às águas do Danúbio, que inundaram o porto de Viena e algumas ruas das zonas baixas. O nível do rio começou a recuar em alguns pontos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.