Jackie Chan diz que chineses precisam ser controlados

O astro chinês de filmes de ação Jackie Chan disse neste sábado não estar certo de que uma sociedade livre seja uma boa coisa para a China e que começa a pensar que "nós chineses precisamos ser controlados". Os comentários de Chan receberam aplausos da plateia predominantemente chinesa de empresários que participavam do Fórum Anual de Boao, na província de Hainan.

AE-AP, Agencia Estado

18 de abril de 2009 | 12h16

O ator de Hong Kong, de 55 anos, participava do Fórum quando foi questionado sobre censura e restrições aos diretores de filmes na China. Eles expandiu seus comentários para a sociedade em geral. "Não estou certo se é bom ou não ter liberdade", disse. "Estou realmente confuso. Se há muita liberdade, as coisas podem ficar do jeito que estão em Hong Kong agora. Lá a situação é muito caótica. Taiwan também está em estado caótico", opinou. E acrescentou: "Estou gradualmente começando a achar que se nós chineses não formos controlados, iremos fazer apenas aquilo que queremos."

O ator não tem sido um defensor do movimento pró-democracia em Hong Kong, sua terra natal. Desde que a ex-colônia inglesa voltou para as mãos da China, em 1997, os eleitores não podem mais eleger diretamente seus líderes. Muitos protestos têm ocorrido desde então por uma completa democracia, mas Pequim repetidamente diz que Hong Kong não está pronto para isso. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJackie Chan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.