Sang Tan/Aqruivo/AP
Sang Tan/Aqruivo/AP

James Murdoch voltará a depor no Parlamento britânico

Data para audiência com filho de magnata australiano ainda não tem data marcada

EFE

13 Setembro 2011 | 11h18

LONDRES - O presidente do grupo News International, James Murdoch, voltará a ser chamado para prestar esclarecimentos ao Parlamento britânico pelo escândalo das escutas do jornal dominical The News of the World, fechado em julho.

 

John Whittingdale, presidente do comitê, comunicou nesta terça-feira, 13, que o filho do magnata australiano Rupert Murdoch será chamado novamente, embora a data não tenha sido definida.

 

Murdoch deverá aprofundar alguns trechos da declaração que fez em julho à Comissão de Cultura, Meios de Comunicação e Esportes da Câmara dos Comuns, onde afirmou que até o final de 2010 não tinha conhecimento das escutas.

 

Whittingdale também informou que o comitê ouvirá os depoimentos de outras testemunhas no caso das escutas, entre eles o do ex-executivo da News Corporation Les Hinton e o de Mark Lewis, advogado que representa as vítimas das interceptações telefônicas ilegais.

 

O depoimento de James Murdoch ao Parlamento em 19 de julho pelo caso das escutas foi questionado por dois ex-diretores da empresa, que alegaram que um e-mail informava que as práticas ilegais não se limitavam a um só jornalista.

 

O News of the World" fez durante anos, aparentemente de forma sistemática, espionagem de celulares de famosos, jornalistas e cidadãos anônimos.

 

Em 2006 se tornou pública a espionagem, mas a investigação foi interrompida pela Polícia, embora tenha começado uma nova investigação em janeiro.

 

O escândalo se agravou quando foi revelado em julho que os telefones de familiares de vítimas de crimes, terrorismo e de soldados mortos em combate também foram grampeados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.