Japão amplia área de exclusão perto de usina nuclear

O Japão deu início no domingo à primeira retirada de moradores fora de uma zona de exclusão do governo depois que o terremoto e tsunami de 11 de março ter afetado o funcionamento de uma das usinas de energia nuclear do país.

AE, Agência Estado

15 de maio de 2011 | 15h56

Cerca de 4 mil moradores da vila de Iidate-mura e outras 1.100 pessoas na cidade de Kawamata-cho passaram a enfrentar realocações graduais para casas públicas, hotéis e outras instalações em cidades próximas.

Essas comunidades ficam fora do raio de 20 quilômetros a partir da usina de Fukushima Daiichi, região oficialmente designada como área de retirada forçada de pessoas devido aos riscos à saúde pelo vazamento de radiação da usina.

O governo disse às pessoas em comunidades como Iidate-mura que elas tinham que sair, mas as autoridades não devem punir aquelas que optarem por ficar. A região recebeu altos volumes de materiais radioativos devido aos ventos.

A usina, operada pela Tokyo Electric Power Co. (Tepco) foi devastada pelo terremoto de magnitude 9 e pelo tsunami que se seguiu, o que provocou a pior crise atômica mundial em 25 anos.

Equipes de emergência também deram início a uma reavaliação da situação do reator 1 na usina depois de descobrir que o combustível dentro da instalação aparentemente tinha derretido, disse a Tepco.

Cerca de 3 mil toneladas de água altamente radioativa foram descobertas embaixo do reator número 1, o que forçou autoridades a pensar em maneiras de bombear essa água para fora e processá-la, disse a empresa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãousina nuclearretirada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.