Japão ampliará segurança em embaixadas

O Japão planeja desembolsar quase 7,9 bilhões de ienes (US$ 73,5 milhões) no próximo ano em melhorias do aparato de segurança em suas embaixadas, em razão das preocupações sobre atentados terroristas. As apreensões sobre a possibilidade de representações diplomáticas do país serem alvos de ataques aumentaram desde que um grupo com relações com a rede terrorista Al-Qaeda alertou sobre possíveis retaliações caso o país mantivesse a disposição de enviar soldados para ajudarem os EUA nos esforços de reconstrução do Iraque. Dois diplomatas japoneses foram mortos, no mês passado, no território iraquiano. Autoridades que estão finalizando a proposta orçamentária do governo para 2004 concordaram em alocar os 7,9 bilhões de ienes para as ações de melhoria da segurança em embaixadas, que incluirão o aumento de 650 para 1.420 do número de guardas contratados para esse serviço, segundo informações do Ministério das Finanças, Minoru Goto. Paralelamente, o governo concordou em prever 200 milhões de ienes no orçamento para o desenvolvimento de um robô capaz de detectar agentes químicos e biológicos, como gás nervoso e antrax. Ao mesmo tempo em que tenta se proteger de ações terroristas, o Japão decidiu, na semana passada, deslocar 1 mil militares não-combatentes para missões humanitárias no Iraque. Com o objetivo de preparar o terreno para a recepção desse grupo, um contingente de militares das Forças Armadas seguirá ainda este mês para os vizinhos Quatar e Kuwait.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.