Kyodo News/ AP - Setembro de 2017
Kyodo News/ AP - Setembro de 2017

Japão anuncia retomada da caça de baleias para fins comerciais

País se junta a Islândia e Noruega no grupo de países que praticam abertamente a caça; decisão não foi bem recebida por Austrália e Nova Zelândia

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2018 | 04h11

TÓQUIO -  O Japão vai sair da Comissão Internacional das Baleias (IWC, na sigla em inglês) para poder retomar a caça comercial do animal em julho de 2019. O anúncio foi feito nesta quarta, 26, três meses depois de a IWC se opor justamente à petição do país asiático de retomar a atividade.

O representante do governo, Yoshihide Suga, disse que o País se limitará a caçar os animais no seu território e cessará as atividades nas águas da Antártida e no hemisfério sul.

Com a decisão, o Japão se torna a terceira nação a praticar abertamente a caça, junto da Islândia e Noruega

A medida não foi bem recebida pela comunidade internacional. A Austrália disse estar "extremamente desapontada", e a Nova Zelândia lamentou a retomada da "ultrapassada e desnecessária" matança de baleias. 

A IWC foi fundada em 1946 e, até então, contava com 89 países-membro. 

Diplomacia

A decisão do Japão, embora já tivesse sido anunciada em setembro, causou estranheza por se tratar de uma ação unilateral, sendo que o país não costuma adotar medidas assim na sua diplomacia. 

Em setembro deste ano, o Brasil sediou a 67ª reunião anual da IWC, ocasião na qual a petição do Japão para retomar a caça foi rechaçada por 41 votos contra 27. 

Estados Unidos, União Europeia e Austrália desaprovam a atividade.

Contrariado, o vice-ministro japonês da Pesca, Masaaki Taniai, lamentou o resultado da votação e disse que a possibilidade de abandonar a IWC seria uma última opção. 

Tecnicamente, o País asiático nunca deixou de caçar baleias, já que se aproveitava de uma falha a moratória de 1986 que autoriza a captura dos animais para investigações científicas. Mas a carne das baleias, de um jeito ou de outro, acabava nas peixarias. 

Os japoneses mais nacionalistas consideram a caça de baleias uma importante tradição multissecular. A carne do animal constituiu uma importante fonte de proteína aos japoneses no pós-guerra. 

Atualmente, porém, a maioria da população garante que não come carne de baleia. E se o faz, é com baixa frequência. 

G20

Pela primeira vez na história do país, o Japão vai sediar um encontro do G20. A reunião está prevista para o final de junho de 2019. E a volta da caça será feita em julho. / Reuters e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.