Japão apóia ataque e promete ajuda a refugiados

O primeiro-ministro do Japão, Junishiro Koizumi, expressou apoio à ação militar liderada pelos EUA para desarmar o Iraque, prometeu ajuda aos refugiados e assistência na reconstrução do país após a guerra. A declaração foi realizada em cadeia para todo o país, logo após o presidente dos EUA, George W. Bush, confirmar o início da guerra. Separadamente, o Banco Central do Japão informou que "monitorará com atenção" a repercussão da guerra nos mercados financeiros. O BC japonês informou ainda estar pronto para tomar medidas de emergência a fim de estabilizar os mercados financeiros. O ministro do Interior, Yoriko Kawaguchi, afirmou que enviará uma equipe médica para a Síria amanhã para atender os refugiados. O Japão irá oferecer US$ 5,03 milhões em ajuda a organizações humanitárias. O governo estuda ainda ajuda financeira à Jordânia e humanitária à Autoridade Palestina. Durante o discurso de Koizumi, cerca de 200 pessoas realizavam protestos em frente à embaixada dos EUA no país. O Japão foi avisado antecipadamente do ataque. A segurança será reforçada no Japão para evitar ataques terroristas.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.