Japão aprova reativação de usina nuclear

Japão aprova reativação de usina nuclear

Os reatores de Sendai, atingida pelo tsunami, devem voltar a funcionar no início de 2015, após inspeções de reguladores locais

Estadão Conteúdo

07 Novembro 2014 | 09h13

O governador da província japonesa de Kagoshima, Yuichiro Ito, deu a aprovação final para reiniciar as atividades em uma usina nuclear no sul do Japão, a primeira a retomar as operações no país sob novas regras de segurança impostas após o acidente em Fukushima, em 2011, causado por um terremoto e uma tsunami.

De acordo com Yuichiro, os dois reatores na Sendai Nuclear Power Station vão ser reativados. "Depois de considerar todos os aspectos, devo dizer que ainda temos de contar com a energia nuclear energia e é extremamente importante para nós continuar com o plano de forma constante", afirmou o governador em uma coletiva de imprensa, após a assembleia da província aprovar a reativação.

Os reatores de Sendai devem voltar a funcionar no início de 2015, após inspeções de reguladores locais. A Autoridade de Regulação Nuclear do Japão aprovou os requisitos de segurança rigorosos em julho.

Todos os 48 reatores que podem funcionar no Japão estão desativados para verificações de segurança ou reparos desde o desastre de 2011, com exceção de dois que têm operado temporariamente por cerca de um ano.

Após o presidente da assembleia de Kagoshima anunciar a medida, cerca de 200 manifestantes protestaram. Eles estão preocupados devido a atividade de diversos vulcões na região, especialmente após uma recente explosão fatal no norte do Japão.

O Ministro da Economia, Comércio e Indústria japonês, Yoichi Miyazawa , que visitou Kagoshima para incentivar o governador a apoiar a política energética do governo, elogiou o anúncio e afirmou que "ganhar a compressão dos moradores locais é muito importante". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Japãoenergia nuclearFukushima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.