EFE/Kimimasa Mayama
EFE/Kimimasa Mayama

Japão causou 'danos e sofrimentos imensuráveis' na 2ª Guerra, diz premiê

Em discurso para marcar os 70 anos do fim do conflito, Shinzo Abe também defendeu que futuras gerações não devem estar 'predestinadas a se desculpar pelos atos bélicos do Japão'

O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2015 | 08h55

TÓQUIO - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, se comprometeu nesta sexta-feira, em seu esperado discurso pelos 70 anos do final da 2ª Guerra, a manter as "sinceras desculpas" expressadas por governos anteriores em razão das agressões do Japão a países vizinhos.

A declaração será analisada com grande atenção por China e Coreia do Sul, países que da mesma forma que outras nações asiáticas vizinhas foram vítimas do imperialismo japonês antes e durante a disputa, que reivindicaram com insistência que o conservador Abe formulasse uma desculpa clara.

"O Japão já expressou de forma repetida seus sentimentos de profundo arrependimento e sinceras desculpas por suas ações durante a guerra", disse Abe, que também se referiu às "invasões" do Japão.

O primeiro-ministro, conhecido por seu perfil nacionalista, evitou assim seguir o expressado por seus antecessores que usaram termos similares, como Tomiichi Murayama no 50º aniversário do fim da guerra e Junichiro Koizumi dez anos depois.

"Devemos aprender as lições do passado e olhar em direção ao futuro", disse Abe, que acrescentou que o país não deve permitir que "as futuras gerações estejam predestinadas a se desculpar pelos atos bélicos cometidos pelo Japão".

Em alusão ao contexto histórico da 2ª Guerra, o primeiro-ministro disse que "o mundo se encontrava sob as ondas do colonialismo, com as potências do leste como epicentro", e acrescentou que as "ditas ondas chegaram até Ásia".

O Japão "foi responsável por um dano e um sofrimento imensuráveis a pessoas inocentes", reconheceu Abe, que destacou que o país asiático "nunca deveria voltar a recorrer às ameaças ou à força" nem a protagonizar "incidentes, agressões ou guerras".

"Foram perdidas incontáveis vidas de jovens com o futuro pela frente. Muitas mulheres viram sua honra e sua dignidade gravemente danificadas", disse Abe.

Estas palavras poderiam ser consideradas uma referência indireta ao uso de escravas sexuais por parte do Exército imperial japonês durante a ocupação da Coreia, um assunto que gerou desencontros diplomatas entre Tóquio e Seul desde 2012, quando o atual premiê assumiu o cargo.

As relações entre Japão tanto com a Coreia do Sul quanto com a China se deterioraram COB o comando de Abe em razão de seus atritos sobre fatos históricos relacionados com as agressões bélicas japonesas e a suas disputas territoriais.

O primeiro-ministro do Japão é visto com desconfiança pelos países vizinhos por suas iniciativas revisionistas e por ter impulsionado uma reinterpretação do artigo pacifista da Constituição do Japão.

Por ocasião do 70° aniversário do fim da disputa, ambos países tinham pedido ao primeiro-ministro japonês que enviasse uma mensagem "clara e correta" sobre a natureza da responsabilidade japonesa na guerra, perante os temores de que o discurso não incluísse uma desculpa explícita. Os Estados Unidos também pediram que Abe evitasse o aumento de tensões na região. / REUTERS e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
2ª GuerraJapãoChinaCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.