Japão chama ação da China de 'lamentável' e pede calma

O governo do Japão lamentou hoje a decisão da China de suspender negociações bilaterais em protesto contra a prisão do comandante de um navio chinês. O marinheiro é acusado de provocar a colisão intencional contra duas embarcações de patrulha japonesas, numa zona marítima reivindicada pelos dois países. "É lamentável se for verdade o que foi informado na noite passada", disse um porta-voz do primeiro-ministro japonês, Naoto Kan.

AE, Agência Estado

20 de setembro de 2010 | 11h41

O porta-voz acrescentou que o Japão pretende lidar com o assunto de forma calma, de acordo com os procedimentos legais do país. "Nós pedimos calma e ação cuidadosa (da China), de modo que esse incidente particular não afete o conjunto das relações entre Japão e China."

Ontem, a China ameaçou adotar "medidas fortes" contra o Japão, após esse país ampliar o tempo de prisão preventiva do capitão chinês. O incidente ocorreu em uma área do mar ao leste da China, onde há um arquipélago controlado pelo Japão mas reivindicado pela China e também por Taiwan, por seus prováveis depósitos de petróleo e gás.

Autoridades japonesas prenderam o capitão chinês, Zhan Qixiong, após as colisões de 7 de setembro. O Japão já liberou o restante da tripulação e o navio. Zhan foi preso acusado de obstruir o trabalho de funcionários japoneses. A ampliação da prisão preventiva no sábado por dez dias é a última medida possível pela lei japonesa, e o preso deve agora ser indiciado ou liberado.

A China já adiou conversas com o Japão sobre um projeto de exploração conjunta de energia em águas disputadas. Também paralisou os contatos para ampliar os voos entre os dois países. Kan e o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, estarão em Nova York esta semana para um encontro da Organização das Nações Unidas (ONU). Não há planos para um encontro da dupla, mas eles terão reuniões em separado com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaJapãobarcoconflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.