Japão, China e Coreia do Sul decidem ampliar cooperação em segurança nuclear

Parceria na área é tratada como sendo de 'máxima prioridade'

EFE,

19 de março de 2011 | 10h17

Osaka (Japão), 19 mar (EFE).- Os Governos do Japão, China e Coreia do Sul decidiram neste sábado impulsionar a cooperação trilateral para reforçar a segurança nuclear da região, diante da crise que envolve o complexo atômico de Fukushima, afetado após o forte terremoto que castigou o nordeste japonês no último dia 11.

Os ministros de Exteriores dos três países se reuniram neste sábado em Kioto (centro do Japão), em um encontro programado desde antes do devastador terremoto de oito dias atrás, cujas consequências foram discutidas durante as conversas trilaterais.

O chefe da diplomacia japonesa, Takeaki Matsumoto, propôs ao seu homólogo chinês, Yang Jiechi, e ao sul-coreano, Kim Sung-hwan, que seus países trabalhem juntos na gestão de desastres e segurança da energia nuclear "como máxima prioridade", informou a agência de notícias local Kyodo.

Matsumoto agradeceu também à Coreia do Sul e à China pelas equipes de emergência que esses países enviaram ao Japão para auxiliar nos trabalhos de resgate após o devastador terremoto seguido de tsunami, que deixou mais de 7 mil mortos já confirmados.

A reunião de um dia dos três ministros foi organizada com o objetivo de preparar o terreno para uma cúpula dos líderes do Japão, China e Coreia do Sul, que poderia acontecer no final de maio.

Os três países realizam uma cúpula de caráter anual desde 2008, com o objetivo de promover a cooperação em áreas como comércio, energia, meio ambiente, turismo, tecnologia e prevenção de desastres.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoCrise nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.