Japão classifica China como "ameaça"

O ministro de Relações Exteriores japonês, Taro Aso, afirmou neste domingo, 2, que a crescente capacidade militar da China é uma "ameaça" para os países vizinhos do gigante asiático. Em declarações feitas em um programa de televisão, Aso criticou os gastos militares chineses e afirmou que os países vizinhos "se sentem ameaçados" pela incerteza sobre o destino do dinheiro encaminhado à Defesa por parte do governo de Pequim. Antigas acusações Estas não são as primeiras acusações de Aso contra a China neste sentido, pois já em dezembro de 2005, o ministro afirmou que a China "está se transformando em uma ameaça notável". Na ocasião, Aso disse que a China "é uma nação com um bilhão de habitantes, com armas nucleares e que expandiu gastos militares ao longo de 17 anos, sem que se saiba para onde está indo o dinheiro". Templo de Yasukuni O presidente da China, Hu Jintao, anunciou que estava disposto a reunir-se com o primeiro-ministro japonês, Junichiro Koizumi, caso ele encerrasse suas visitas ao templo xintoísta de Yasukuni, símbolo para a China do espírito militarista japonês. Em Yasukuni, se presta homenagem a cerca de 2,5 milhões de japoneses mortos em combates do século 19 até o final da Segunda Guerra Mundial, e entre eles estão 14 criminosos de guerra. A última visita de Koizumi a Yasukuni, no centro de Tóquio, em outubro de 2005, provocou o cancelamento de uma cúpula com Hu e forçou a suspensão de várias visitas ministeriais entre Pequim e Tóquio. Conferência de Bandung Hué e Koizumi se reuniram pela última vez em abril de 2005, durante a Cúpula de Jacarta, nas comemorações pelos 50 anos da Conferência de Bandung. A Conferência de Bandung ocorreu em Abril de 1955, na Indonésia, e os líderes de 29 estados asiáticos e africanos se reuniram para discutir e promover a cooperação econômica e cultural afro-asiática, como forma de oposição ao que era considerado colonialismo dos Estados Unidos da América, da União Soviética ou de outra nação considerada imperialista.

Agencia Estado,

02 Abril 2006 | 15h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.