Japão coloca número de mulheres recorde no Congresso

Representação feminina no parlamento do país é de 11,25%, mas número ainda está abaixo da média mundial

31 de agosto de 2009 | 09h32

As eleições legislativas do Japão do último domingo, 30, colocaram 54 mulheres na Câmara entre os 480 deputados eleitos, um recorde para o país asiático, embora ainda esteja entre uma das nações com menor representação feminina no congresso do mundo, informa a agência AFP.

 

A Câmara dos Deputados contava anteriormente com apenas 43 mulheres na banca, um número inferior a 9%, mas que também havia sido recorde para a época. Agora, a representação feminina é de 11,25%.

 

O Partido Democrata do Japão, que impôs uma derrota oposicionista esmagadora ao Partido Liberal Democrata, lançou várias candidatas onde antes figuravam políticos conservadores liberais há muito tempo na casa. Uma delas, a jornalista Ai Aoki, venceu Akihiro Ota em Tóquio. Ota é líder do partido budista Novo Komeito, aliado do Partido Liberal. No sul do país, Eriko Fukuda, de 28 anos, venceu o ex-ministro da Defesa Fio Kyuma, de 68 aos.

 

Com 11,25% de mulheres no Congresso, o Japão Pasa da 103ª para a 95ª posição entre os países com maior representatividade feminina em suas casas legislativas. O país, entretanto, ainda está muito abaixo da média mundial, que é de 18,5%.

 

No topo da lista está Ruanda, com 56,3%. A média dos países do norte da europa é de 42%, enquanto a Alemanha tem 32,2% e os EUA 16,8%, também abaixo da média.

 

Primeira-dama

 

Segundo a agência Efe, O triunfo eleitoral de Yukio Hatoyama, líder do Partido Democrata e futuro primeiro-ministro japonês, fará com que a primeira-dama do país seja uma ex-atriz aficionada por cozinha, autora de vários livros de receita. Miyuki Hatoyama, de 66 anos, é esposa do líder democrata, com quem se casou nos EUA em 1975, quando ele estudava na Universidade de Stanford, na Califórnia.

 

Ao ocupar o posto, Miyuki poderá recuperar a presença de uma primeira-dama na mídia japonesa, alcançada brevemente por Akie Abe, esposa do ex-premiê Shinzo Abe, que governou de 2006 a 2007.

 

Qualidades para atuar diante das câmeras não faltam a Miyuki, que estudou arte dramática e tem grande experiência em interpretação. Um dos seus méritos é ter entrado em 1959 na Escola de Teatro Takarazuka de Kobe, conhecida por sua estrita seleção, assim como sua dedicação profissional à interpretação durante seis anos, antes de seu primeiro casamento.

 

Já nos EUA e casa da com seu atual marido, Miyuki publicou livros de gastronomia intitulados "Benvindos ao restaurante Hatoyama", revelando uma grande paixão pela cozinha.

 

Mais de trinta anos depois de seu casamento, Yukio e Miyuki Hatoyama habitarão a residência oficial do primeiro-ministro em Tóquio, onde a japonesa poderá prosseguir com suas atividades de atriz e cozinheira se suas obrigações como primeira-dama permitirem.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoeleiçõesparlamentoHatoyama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.