Japão descarta desculpas à China por prisão de capitão chinês

Tóquio liberta capitão de navio pesqueiro chinês em águas sob disputa, mas diz que demanda chinesa é sem fundamento.

BBC Brasil, BBC

25 de setembro de 2010 | 09h36

O Japão rejeitou uma reivindicação da China por desculpas formais e compensação no episódio em que autoridades japonesas prenderam o capitão de uma embarcação pesqueira chinesa, no dia 8 de setembro.

A crise diplomática, originada a partir de um incidente em águas sob disputa entre os dois países, está sendo vista como analistas como a mais importante dos últimos dois anos.

O capitão e a tripulação do navio pesqueiro foram detidos após colidir com duas embarcações da guarda costeira japonesa próximo às ilhas Diaouyu (Senkakey para os japoneses).

O capitão foi acusado pelas autoridades japonesas de ter deliberadamente atingido o outro bote e de ter obstruído o acesso de funcionários públicos japoneses às ilhas no Mar da China Oriental.

Poucos dias depois, as autoridades chinesas detiveram quatro japoneses sob acusação de entrar em numa zona militar e filmar ilegalmente as instalações no local.

Na sexta-feira à noite, Tóquio libertou o capitão do navio, Zhan Qixiong, em um gesto que observadores consideraram uma tentativa de pôr panos quentes na disputa.

Entretanto, a China insistiu em um pedido formal de desculpas por parte do Japão e compensações pelo incidente.

Em resposta, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Japão descreveu a demanda chinesa como inaceitável e sem fundamento. O Japão disse que trataria do caso segundo suas próprias leis.

Na madrugada deste sábado, ao pousar no aeroporto de Fuzhou, na província de Fujian, o capitão do navio chinês agradeceu os esforços pela sua libertação e disse que era inocente no caso.

"As ilhas Diaouyu são parte da China. Eu estava lá pescando. Estava dentro da lei. Essas pessoas me prenderam - isto foi ilegal", atiçou.

Acirramento de ânimos

Analistas dizem que o incidente trouxe à tona o acirramento da disputa pela soberania sobre uma área rica em gás natural e outros minérios.

O caso despertou uma onda de protestos na China, país que foi ocupado pelos japoneses na Segunda Guerra Mundial.

A agência oficial de turismo de Pequim chegou a pedir que as empresas de viagens cancelassem os pacotes para o Japão.

Além disto, as reuniões diplomáticas e visitas de estudantes japoneses de programas de intercâmbio foram canceladas, em protesto pela detenção.

O polêmico governador de Tóquio, Shintaro Ishihara, comentou à mídia japonesa sua intenção de cancelar uma viagem à China e criticou as medidas tomadas pelo governo chinês dizendo ser "o tipo de coisa que a yakuza (a máfia japonesa) faz".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.