Japão desculpa-se por não retirar base de Okinawa

Hoje o primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, pediu desculpas à população de Okinawa por ter descumprido a promessa, feita durante a campanha eleitoral do ano passado, de retirar uma base militar dos EUA da região. Hatoyama havia assumido o compromisso de transferir a instalação para outra ilha, mas o governo decidiu seguir um plano anterior que prevê a transferência da base norte-americana para uma região menos povoada dentro de Okinawa.

AE-AP, Agência Estado

23 Maio 2010 | 13h02

Os moradores há tempos reclamam do barulho e do risco de acidentes com jatos trazidos pela base, que abriga mais da metade dos 47 mil soldados dos EUA no Japão posicionados no país por conta de uma aliança bilateral de defesa. Em 1996, as duas nações assinaram um acordo para realocar a base de Futenma após dois soldados norte-americanos e um marinheiro terem sido condenados pelo estupro de uma menina de 12 anos em Okinawa.

"A realocação (da base) de Futenma terá de ser em Okinawa", disse Hatoyama durante uma reunião com o governador local, Hirokazu Nakaima. "Peço desculpas do fundo do meu coração pela confusão que causei ao povo de Okinawa por não ter conseguido cumprir minha promessa."

"Eu devo dizer que sua decisão é extremamente lamentável e difícil de aceitar", retrucou Nakaima ao primeiro-ministro.

Mais conteúdo sobre:
Japão premiê base

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.