Japão detecta nível excessivo de estrôncio no mar de Fukushima

Especialistas advertem que o elemento, cuja vida média é de 29 anos, pode representar risco à saúde

Efe,

13 de junho de 2011 | 01h08

TÓQUIO - A empresa administradora do complexo atômico de Fukushima, Tokyo Electric Power Company (Tepco), anunciou nesta segunda-feira, 13, que, pela primeira vez desde o início da crise nuclear no Japão, foram detectados níveis excessivos de estrôncio na água do mar próximo à usina.

 

A operadora afirmou que o nível de estrôncio-90 registrado em várias amostras recolhidas no mar próximo à central no dia 16 de maio acumula índices 53 vezes superiores ao padrão de segurança do governo, informou nesta segunda-feira, 13, a emissora japonesa NHK.

 

As análises da Tepco, que normalmente requerem três semanas para serem realizadas, também indicam que o nível de estrôncio-90 nas entradas de água de mar dos reatores 2 e 3 da central de Fukushima acumulam índices entre 170 e 240 vezes acima do limite, respectivamente.

 

A operadora afirmou que, em uma das amostras de água recolhidas no dia 18 de maio no terreno próximo ao reator 2 da usina, marcaram níveis de 6.300 becquerels por litro, enquanto, na área do reator 1, os índices foram de 22 becquerels por litro.

 

Os especialistas advertem que o estrôncio, gerado na fissão dos átomos de urânio e cuja vida média é de 29 anos, pode representar risco à saúde, já que se acumula nos ossos e pode causar câncer ósseo e leucemia.

 

A Agência de Segurança Nuclear japonesa (Nisa) destacou que o resultado não ultrapassa suas expectativas, já que a substância foi registrada em uma das praias de uso exclusivo do complexo atômico.

 

No entanto, a Nisa anunciou que realizará um exaustivo trabalho de monitoração dos peixes e mariscos que se encontram na área afetada.

Em maio, o Ministério de Ciência japonês realizou uma análise na qual não detectou nenhuma substância radioativa no fundo do mar da central, com amostras recolhidas a 50 quilômetros ao sul da usina e a 200 quilômetros ao norte de Tóquio.

Tudo o que sabemos sobre:
japãofukushimaestrôncio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.