Japão deve assumir parte de empresa que administra Fukushima

Governo terá 'certo nível de envolvimento com a Tepco', mas não vai nacionalizar companhia

Reuters

31 Março 2011 | 21h28

 

TÓQUIO - O governo do Japão planeja assumir participação relevante na Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da problemática usina nuclear de Fukushima, injetando capital na empresa, reportou o jornal Mainichi nesta sexta-feira, 1º de abril (quinta no horário de Brasília).

 

Veja também:

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

O diário, porém, afirmou que é improvável que o governo assuma mais de 50% da participação na companhia. O jornal citou uma autoridade do governo, cujo nome não foi citado. "Se a participação for superior a 50%, (a empresa) será nacionalizada. Mas não estamos considerando isso", disse a autoridade, de acordo com o Mainichi.

 

A Tepco está sob forte pressão devido à situação de emergência no complexo nuclear de Fukushima Daichi, provocada pelo terremoto e tsunami de 11 de março. "Será um tipo de injeção que permitirá ao governo ter certo nível de envolvimento (na gestão)", afirmou a autoridade, de acordo com o jornal.

 

Uma série de erros combinada com poucos sinais de liderança da Tepco vem reduzindo ainda mais a confiança na companhia. As ações da empresa, que é conhecida pela má gestão e pelo envolvimento em escândalos, já desabaram quase 80% desde o desastre.

 

O desastre em Fukushima fez com que houvesse vazamento de material radiativo em alguns reatores do complexo. O governo isolou a área e trabalha para conter um desastre nuclear. A usina deve ser desativada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.