Japão deve reduzir dependência em energia nuclear, diz ministro

Autoridades, porém, devem discutir como proceder para alterar políticas energéticas

Reuters

19 Setembro 2011 | 12h52

VIENA - Há um consenso político no Japão para reduzir a dependência do país da energia nuclear, mas é necesário um debate público sobre como proceder, disse uma autoridade do governo japonês à agência de energia atômica da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira, 19.

O ministro de Desastres Nucleares Goshi Hosono falou horas depois que 60 mil manifestantes marcharam em Tóquio para exigir uma saída da energia atômica depois da catástrofe na usina de Fukushima.

"No Japão há um tipo de consenso de que gostaríamos de reduzir a dependência da energia nuclear, mas a velocidade com que isso seria obtido ou o método que seria usado para obter esse objetivo ainda precisa ser identificado", disse Hosono em uma coletiva de imprensa. "Talvez seja necessário um ano de discussões com o público japonês para identificar qual poderia ser a política energética", concluiu. 

O novo primeiro-ministro, Yoshihiko Noda, que assumiu o cargo sem uma política energética coesa desde o pior acidente nuclear do mundo em 25 anos, disse que seria difícil construir novos reatores. Noda também disse que gostaria de ver os reatores que foram fechados para checagens de segurança religados no próximo abril a fim de não minar a terceira maior economia do mundo.

Seis meses depois que um grande terremoto e um tsunami devastaram a usina de Fukushima e provocaram o maior acidente de energia nuclear civil desde Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, apenas onze dos 54 reatores do país estão em operação.

Com a alta desconfiança sobre a energia nuclear e as autoridades exercendo extrema cautela, nem um único reator que foi retirado para manutenção de rotina desde os desastres foi reiniciado.

Hosono usou seu discurso no encontro anual de membros da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para destacar o compromisso do governo com a segurança nuclear e disse que os reatores de Fukushima poderiam estar em "suspensão a frio" até o fim do ano, pouco antes do previsto.

O governo do Japão disse que a "suspensão a frio", que significa que a difusão da radiação dos reatores foi suprimida, é uma precondição para qualquer retorno de milhares de retirados da zona restrita ao redor da usina.

O governo e a empresa Tokyo Electric Power Co (Tepco), que operava a usina, haviam dito que esperavam que a suspensão a frio fosse obtida em janeiro. "Vamos prolongar o período existente e tentar obter a suspensão a frio até o final deste ano", disse Hosono no encontro em Viena.

O chefe da AIEA, Yukiya Amano, disse na semana passada que os reatores em Fukushima estavam "basicamente" estáveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.