Japão deve se ater a energia nuclear, diz comissão do governo

O Japão deve adotar a energia nuclear como uma fonte de energia "importante e fundamental", recomendou uma comissão do governo nesta sexta-feira, em um conselho que parece ter tudo para ser acatado, apesar da ampla rejeição provocada pelo desastre de Fukushima.

Reuters

13 de dezembro de 2013 | 09h22

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, anseia pela reativação de reatores nucleares ociosos para reduzir custos de importação de combustíveis fósseis usados em termelétricas, o que levou o déficit na balança comercial a um recorde e elevou os preços das contas de luz.

Caso adotada, a recomendação pode colocar a energia atômica de volta na matriz energética do Japão após o governo anterior decidir abandoná-la na sequência dos vazamentos na usina de Fukushima Daiichi, no norte do Japão, após um terremoto de seguido de tsunami em 2011.

"A energia nuclear é uma importante e fundamental fonte básica de energia, que vai dar suporte à estabilidade da demanda e fornecimento de energia", escreveu a comissão governamental, acrescentando ser imprescindível garantir a segurança.

Não houve recomendação sobre qual proporção da energia deveria ter fonte nuclear.

O grupo é chefiado por Akio Mimura, presidente honorário do conselho de administração da Nippon Steel & Sumitomo Metal Corp, maior siderúrgica japonesa e uma das maiores consumidoras de energia do país.

(Reportagem de Mari Saito)

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAONUCLEAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.