Japão diz ser difícil prever fim da crise nuclear

O chefe de gabinete do Japão, Yukio Edano, disse neste sábado que é difícil prever quando a crise na usina nuclear Daiichi, em Fukushima, irá terminar, segundo a agência Kyodo News. "A situação atual é de que estamos evitando uma piora", disse. Segundo ele, a situação ainda requer "muito trabalho" antes de ser normalizada.

AE, Agência Estado

26 de março de 2011 | 10h01

O chefe de gabinete informou ainda, de acordo com a agência Kyodo, que o ex-ministro de Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo, Sumio Mabuchi, é hoje conselheiro especial do primeiro-ministro, Naoto Kan. Mabuchi, que substituiu Manabu Terata, foi apontado para lidar com a crise nuclear nesse momento, em cooperação com a Tokyo Electric Power (Tepco), que administra a usina Daiichi, disse Edano. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoFukushimacrise nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.