Japão e China investigam tambores de gás venenoso

O governo japonês enviou especialistaspara investigar a descoberta de tambores de um gás venenoso aparentemente deixados pelo Exército do Japão depois da Segunda Guerra Mundial e que causaram intoxicação em dezenas de pessoasno nordeste da China na semana passada, disse nesta segunda-feira um funcionário japonês.Duas pessoas estão "à beira da morte" com problemas respiratórios adquiridos depois da exposição ao gás venenoso na cidade de Qiqihar, informou o jornal estatal China Daily. Outras32 pessoas estão internadas, inclusive um homem com queimaduras por 95% de seu corpo causadas por contato com o gás.O gás venenoso - provavelmente gás mostarda - foi liberado em 4 de agosto, quando operários desenterraram cinco tambores em umcanteiro de obras."Um grupo de especialistas japoneses em armas químicas foi enviado a Qiqihar para participar das investigações", disse o secretário de gabinete do Japão, Yasuo Fukuda, que está emPequim para participar de encontros previamente agendados com líderes chineses."Se descobrirmos que esse incidente foi causado pelo antigo Exército japonês, creio ser necessário que tratemos o caso da maneira adequada", admitiu Fukuda durante entrevista coletiva.Autoridades japonesas acreditam que 700.000 armas químicas ainda estão na China, abandonadas pelos militares do Japão após o fim da ocupação do país por Tóquio.O uso de armas químicas e biológicas pelo Japão é um assunto que ainda gera ressentimento entre os chineses. Muitos acreditam que os japoneses nunca se redimiram plenamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.