Japão e Coreia do Sul preparam primeiro encontro formal

Com suas relações bilaterais conturbadas, Japão e Coreia do Sul organizam seu primeiro encontro formal, ainda este mês, desde que uma antiga disputa territorial foi reacendida em agosto. Ambos os governos estão trabalhando para que uma reunião entre o primeiro-ministro japonês, Yoshihiko Noda, e o presidente sul-coreano, Lee Myung Bak, se realize à margem de uma série de reuniões da Associação das Nações do Sudeste Asiático em Phnom Penh, capital do Camboja, entre 18 e 20 de novembro.

DANIELLE CHAVES, Agência Estado

11 de novembro de 2012 | 12h53

As informações sobre o encontro foram divulgadas pela Kyodo News neste domingo (11). A relação entre os dois líderes azedou depois que Lee visitou um arquipélago sul-coreano no Mar do Japão, no dia 10 de agosto. Lee foi o primeiro líder sul-coreano a fazer uma viagem ao conjunto de ilhas controladas por Seul desde 1954.

O Japão afirma que as ilhas são parte de Shimane e chama o arquipélago de Takeshima. Na Coreia do Sul, o conjunto de ilhas é conhecido como Ilhas Dokdo. O arquipélago está localizado cerca de 157 quilômetros a noroeste das Ilhas Oki do Japão, em Shimane, e a cerca de 90 quilômetros ao sudeste da Ilha Ulleungdo, da Coreia do Sul.

O encontro previsto entre Yoshihiko Noda e Lee Myung Bak não seria uma breve reunião informal. Fontes japonesas afirmam que o lado sul-coreano aparentemente espera que as conversas entre os dois líderes antes da eleição presidencial da Coreia do Sul, em dezembro, levem a futuras negociações bilaterais sobre a melhoria das relações.

Japão e Coreia do Sul também têm estado em desacordo sobre a questão de mulheres sul-coreanas forçadas à escravidão sexual pelos militares japoneses durante a guerra. Noda e Lee conversaram pela última vez em maio, em Pequim, e brevemente na Rússia, em setembro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoCoreiareunião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.