Japão enfrenta resistência de vizinhos a plano militar

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, recebeu o apoio dos EUA na tentativa de elevar o papel do Exército, mas o plano para permitir que tropas japonesas participem de práticas coletivas de autodefesa deve enfrentar forte oposição nos vizinhos do leste asiático.

AE, Agência Estado

07 de abril de 2014 | 02h53

Em pesquisa publicado pelo Asahi Shimbun, jornal líder no Japão, 95% dos entrevistados na China e 85% na Coreia do Sul querem que Tóquio mantenha a proibição a esse tipo de envolvimento militar.

Mesmo no Japão, 63% das pessoas consultadas afirmaram preferir a manutenção do banimento, o que deve apresentar um desafio significativo na tentativa de Abe de reinterpretar a constituição pacifista do Japão. Essa nova leitura permitiria que forças japonesas apoiassem tropas aliadas em um conflito mesmo em situações nas quais o Japão não está sob ataque direto.

A pesquisa do Asahi foi conduzida entre fevereiro e março, com mais de duas mil pessoas no Japão e mil na China e na Coreia do Sul.

Questionados sobre o sentimento em relação ao Japão, 74% dos entrevistados na China e 67% dos pesquisados na Coreia do Sul declararam não gostar do país. No lado japonês, 54% disseram não gostar da China e 34% declararam não gostar da Coreia do Sul.

A pesquisa ressalta as dúvidas e as animosidades entre Japão e seus vizinhos, em um momento em que crescem as tensões sobre a configuração territorial da região e a interpretação do papel do Japão na segunda guerra mundial. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãochinacoreiaexército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.