Japão estabelece novo padrão de segurança para seus reatores nucleares

Unidades deverão suportar terremotos e tsunamis da intensidade dos que atingiram o país em 2011

Agência Estado,

05 de abril de 2012 | 14h51

TÓQUIO - O primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, e três outros ministros chegaram a um acordo nesta quinta-feira, 5, sobre um esboço estabelecendo parâmetros de segurança para os reatores nucleares do país antes que o governo autorize sua reativação.

"Explicamos ao primeiro-ministro os novos padrões de segurança", disse o ministro do Comércio e Indústria, Yukio Edano, após a segunda de duas reuniões realizadas esta semana para tratar do assunto.

Edano destacou, no entanto, que é improvável que o governo decida pela reativação imediata de reatores em nova reunião prevista para sexta-feira, 6.

O esboço, que será formalmente anunciado após a reunião desta sexta-feira, determina que os reatores devem passar por testes iniciais de estresse e que sejam capazes de suportar terremotos e tsunamis da intensidade daqueles que atingiram o Japão em março do ano passado. Também exige que os operadores "demonstrem com clareza" sua intenção de assegurar as condições de segurança e adotar quaisquer outras medidas de segurança futuras.

As reuniões ocorrem em meio a graves divergências sobre a reativação ou não dos reatores. Quase todos eles foram desativados após o desastre nuclear na usina de Fukushima Daiichi.

Muitos líderes empresariais têm se mostrado preocupados com o impacto de possíveis quedas de energia durante o período de verão. Antes do acidente de Fukushima, a energia nuclear supria 30% das necessidades do Japão.

Atualmente, apenas um dos 54 reatores japoneses está em operação, o número 3 da usina de Tomari, que deverá ser desligado em 5 de maio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPÃONUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.