Japão estuda envio de tropas ao Líbano

O governo japonês está estudando o enviode tropas ao Líbano para oferecer apoio logístico às forças da ONU encarregadas de garantir o cessar-fogo no país, segundo fontes oficiais citadas nesta quinta-feira pela agência de notícias Kyodo. O sinal verde para o plano, divulgado na noite de quarta-feira, deverá esperar a mudança no governo japonês. O novo primeiro-ministro do Japão será nomeado pelo Parlamento dia 26 de setembro. Nos termos de uma lei de 1992, o Japão já enviou missões militares de paz sob comando da ONU ao Camboja, Moçambique e ao Timor Leste. Atualmente, forças japonesas prestam apoio logístico àentidade nas Colinas de Golã, território do sul da Síria. A missão no Líbano representa um alto risco para as tropas da missão de paz. A qualquer momento, pode se romper o precário cessar-fogo estabelecido em agosto entre Israel e o grupo xiita Hezbollah. Caso recomecem as hostilidades, as forças da ONU posicionadas no sul do Líbano poderiam ser obrigadas a repelir uma agressão com ouso das armas. No caso das tropas japonesas, isso seria uma violação à Constituição pacifista do país. A Carta Magna, de 1947, proíbe aos militares japoneses participar de ações no estrangeiro que exijam o uso da força. Segundo a Kyodo, a decisão sobre o envio de tropas japonesas ao sul do Líbano dependerá da evolução do conflito e da análise daAgência da defesa (equivalente ao Ministério da Defesa) sobre o risco de combates. O cessar-fogo entre israelenses e militantes do Hezbollah, após mais de um mês de combates, começou dia 14 de agosto. Mas desdeentão já houve diversas escaramuças e ameaças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.