Japão faz minuto de silêncio um ano após tsunami

Os japoneses celebram neste domingo o primeiro aniversário do forte tremor seguido de tsunami que varreu a costa nordeste do país, desencadeando o mais grave acidente nuclear do mundo em 25 anos. Um minuto de silêncio foi feito em todo o Japão, às 14h26 (horário local), exatamente um ano depois que um terremoto de magnitude 9,0 abalou Tohoku, provocando o pior tsunami da região em séculos.

AE, Agência Estado

11 de março de 2012 | 11h11

Na região de Tohoku e em várias cidades do país, pessoas participaram de serviços memoriais e concertos, se reuniram com os familiares e amigos próximos e assistiram a reportagens especiais na televisão para relembrar o desastre. Cerca de 19 mil pessoas morreram ou ficaram desaparecidas - vítimas principalmente das ondas gigantes que varreram dezenas de comunidades ao longo da costa nordeste. Depois de um ano, em Tohoku cerca de 350 mil pessoas ainda estão deslocadas de suas casas.

O dia de hoje também testemunhou um ativismo recém surgido em uma nação conhecida pela indiferença política. Manifestações contra a política de energia nuclear do país, como Tóquio, que atraiu cerca de 30 mil pessoas, incluindo um protesto em frente à sede da Tokyo Electric Power, operadora da usina nuclear Fukushima Daiichi.

Em Fukushima, uma manifestação em um estádio de baseball reuniu 16 mil pessoas, segundo organizadores, incluindo muitos agricultores e pescadores cujos meios de subsistência se perderam. O acidente ali contaminou severamente as cidades vizinhas, dentro e fora de um raio de 20 quilômetros, forçando dezenas de milhares de moradores e se mudar de suas casas.

Tóquio desembolsa 20,9 trilhões de ienes (cerca de US$ 250 bilhões) - quase o mesmo tamanho do Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal - para reconstruir o nordeste. Os gastos incham as dívidas do governo do Japão, as piores entre as grandes nações, levantando preocupações sobre a sua sustentabilidade. As informações são da Dow Jones. (Gabriela Mello)

Tudo o que sabemos sobre:
tsunamiJapãotragédiaenergia nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.