Japão forma primeiro Ministério da defesa desde a 2ª Guerra

O Japão conta a partir desta terça-feira com um Ministério da Defesa, o primeiro desde o fim da Segunda Guerra Mundial, com maior categoria e orçamento que o órgão que substitui, a Agência de Defesa.O nascimento do novo Ministério, encarregado da defesa do país, tem causado preocupação entre os vizinhos asiáticos que sofreram com o passado militarista japonês. Eles temem o incentivo ao perfil militar do país dado pelo novo primeiro-ministro, Shinzo Abe.Abe quer reformar a Constituição de 1947, redigida pelas forças de ocupação americanas no pós-guerra, que proíbe a participação do Japão em programas de defesa coletiva e em qualquer conflito armado.A conversão da atual Agência de Defesa num Ministério foi aprovada em novembro na Câmara graças à maioria parlamentar do governamental Partido Liberal Democrático (PLD), aliado ao Komeito, budista.Com o novo Ministério, as atividades de cooperação de paz das Forças de Autodefesa japonesas, com 250 mil soldados, passam a ser consideradas tarefas principais.O novo Ministério nasceu numa cerimônia com a presença do Primeiro-ministro, pouco antes do início da sua viagem por quatro países europeus que incluirá uma visita ao quartel-general da Otan, em Bruxelas.O Ministério tem o poder de convocar reuniões de Gabinete, propor legislação e solicitar diretamente orçamentos ao Ministério das Finanças. "Estou orgulhoso por ser o primeiro-ministro num momento em que pudemos estabelecer o Ministério da Defesa como uma organização que desempenhe um papel inalienável para a soberania nacional", disse Abe.O novo ministro, Fumio Kyuma, que era o diretor da Agência de Defesa, defendeu uma mudança de acordo com as novas exigências da segurança nacional. Para ele, o Ministério "não é um fim em si, mas um começo para novas políticas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.