Japão irá desativar complexo nuclear de Fukushima

Premiê japonês também indicou que irá rever os planos que preveem a construção de mais 14 usinas

estadão.com.br

31 de março de 2011 | 09h38

 

 

TÓQUIO - O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, disse nesta quinta-feira, 31, que o complexo nuclear de Fukushima Daichi deve ser desativado. O anúncio foi feito pelo secretário do Partido Comunista japonês, Kazuo Shii, após uma reunião com Kan, segundo a agência Kyodo.

 

Veja também:

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

A Tokyo Electric Power (Tepco), empresa que administra a usina, já havia indicado na última quarta-feira, 30, que poderia fechar os quatro principais reatores (1, 2, 3 e 4) de Fukushima.

 

Segundo a Tepco, o fechamento dos reatores é inevitável devido os graves danos sofridos após o terremoto do dia 11 de março. Essa operação, no entanto, aconteceria apenas após a finalização dos trabalhos de resfriamento dos reatores, o que pode levar meses.

 

Naoto Kan disse também que pode rever os planos que preveem a construção de mais 14 usinas nucleares até 2030.

 

O temor de contaminação pela radiação ainda é muito grande no local. Os níveis de radiação registrados na água do mar de Fukushima continuam em elevação e atingiram, segundo as medições desta quinta-feira, o recorde de 4.385 vezes o limite legal.

 

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou ontem que a radiação medida em Iitate, a 40 km da central de Fukushima, superam os níveis recomendados. O local está fora da zona de exclusão atualmente em vigor, que compreende um raio de 20 km.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.