Japão já admite perdoar dívida iraquiana

O Japão prometeu perdoar a "maior parte" da dívida iraquiana, mas apenas se outras nações do Clube de Paris fizerem o mesmo, segundo um comunicado emitido hoje pelo gabinete do primeiro-ministro Junichiro Koizumi. Horas depois do anúncio japonês, a China disse que "estudará a idéia". A decisão de perdoar parte da dívida do Iraque representou uma virada em relação à prévia posição do governo japonês de não abrir mão do recebimento de seus créditos com o país árabe. O anúncio sobre a nova posição foi feito depois de um encontro entre Koizumi e o enviado especial dos Estados Unidos James A. Baker em Tóquio.Bagdá deve oficialmente ao Japão cerca de US$ 4,1 bilhões,mas, segundo o governo de Tóquio, o total de débitos pode chegara US$ 7,8 bilhões. Os Estados Unidos iniciaram há algumassemanas uma cruzada entre os credores dos Iraque parapersuadi-los a perdoar a dívida do país. O Iraque deve ao Clube de Paris - uma organização de credores que também inclui os Estados Unidos, a Alemanha e a Rússia - mais de US$ 40 bilhões. Bagdá deve outros US$ 80 bilhões apaíses árabes."O Japão está disposto a eliminar a maior parte da dívidaexterna iraquiana se outros credores do Clube de paris fizerem omesmo no contexto do acordo da organização", afirma o comunicadode Koizumi. Mais tarde, Baker se dirigiu a Pequim, onde oprimeiro-ministro Wen Jiabao disse que a China "estudará" aredução da dívida iraquiana, segundo a agência de notíciasoficial Nova China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.