Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Kyodo/via Reuters
Kyodo/via Reuters

Japão suspende alerta de tsunami após registrar forte terremoto no país

Três pessoas ficaram levemente feridas; segundo agência meteorológica, o tremor deste sábado, de magnitude 6,9, é considerado uma réplica do terremoto de magnitude 9 em 2011, seguido de tsunami, que causou o desastre de Fukushima

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2021 | 11h03

TÓQUIO - A Agência Meteorológica do Japão (JMA, por sua sigla em inglês) suspendeu, neste sábado, 20, um alerta de tsunami emitido cerca de uma hora depois que um forte terremoto de magnitude 6,9 foi registrado na costa nordeste do país. Nenhum dano maior foi relatado, mas pelo menos três pessoas tiveram ferimentos leves.  

O terremoto, inicialmente estimado em 7,2 de magnitude, ocorreu às 18h09 (6h09 no horário de Brasília) nas águas do Pacífico ao largo da região de Miyagi, com profundidade de 60 quilômetros, informou a JMA, que emitiu um alerta para ondas de cerca de um metro.

Uma porta-voz da agência, Noriko Kamaya, disse em uma entrevista coletiva que o terremoto deste sábado é considerado uma réplica do tremor de magnitude 9 em 2011, seguido de tsunami, que causou o desastre de Fukushima.

Milhares de famílias receberam alertas para deixar suas casas por causa do aviso de tsunami, que foi levantado às 19h30 (9h30 de Brasília). O Serviço Geológico dos Estados Unidos estimou a intensidade do terremoto de magnitude 7.

Os serviços públicos locais e as autoridades nucleares do país disseram que as usinas nucleares da região não apresentaram nenhuma anormalidade após o terremoto. As empresas ferroviárias locais chegaram a suspender seus serviços. Em Shiogama, uma parte de um penhasco desabou em um trecho de uma estrada. 

A Agência de Gerenciamento de Incêndios e Desastres do Japão explicou que duas idosas em Miyagi ficaram levemente feridas, uma delas foi atingida na cabeça por uma porta e a outra, no ombro por uma mobília. Na vizinha Iwate, uma mulher de cerca de 50 anos caiu e cortou a boca.

Alguns moradores locais disseram que fugiram para terras mais altas depois que o aviso foi emitido. "Eu me lembrei daquele dia, há 10 anos", disse um homem de Ishinomaki à emissora nacional NHK, em referência ao terremoto de Fukushima. "Por causa da nossa experiência daquele dia, agi rapidamente. Meu coração batia forte", declarou.

Na cidade costeira de Ofunato, Shotaro Suzuki, um funcionário de um hotel, disse que houve um blecaute temporário e os elevadores pararam brevemente, mas a energia foi restaurada e não houve outros problemas. “Nossos hóspedes pareciam preocupados no início, mas todos voltaram para seus quartos e nossas instalações parecem boas", disse Suzuki à NHK.

Não houve relatos imediatos de danos, de acordo com Takashi Yokota, um funcionário da secretaria de gerenciamento de desastres da prefeitura de Miyagi.

A Autoridade de Regulamentação Nuclear informou que não houve relatos de anormalidades nas instalações nucleares da área, incluindo a usina Fukushima Daiichi, a usina nuclear Onagawa e várias instalações menores e reatores nucleares experimentais.

Uma porta-voz da Tokyo Electric Power, que agora está desmontando os reatores de Fukushima, disse que o sistema de resfriamento da instalação estava operando normalmente. Mas ela informou que a empresa ainda estava verificando se havia ocorrido algum dano nos edifícios. 

No mês passado, a região registrou outro forte terremoto que causou dezenas de feridos. Posteriormente, descobriu-se que uma pessoa morreu no tremor. 

O Japão está situado no Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de intensa atividade sísmica que se estende pelo sudeste da Ásia e pela bacia do Pacífico. O país é regularmente abalado por terremotos e possui rígidas regulamentações de construção destinadas a garantir que os edifícios resistam aos fortes tremores./AFP e AP  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.