Japão libera visita rápida a vila isolada por radiação

O governo do Japão permitiu que 95 pessoas que foram retiradas de uma vila perto da usina nuclear Daiichi, em Fukushima, retornassem hoje rapidamente ao local. Com roupas especiais para evitar a radiação, os antigos moradores puderam retirar alguns pertences de suas casas.

AE, Agência Estado

10 de maio de 2011 | 08h46

Esta foi a primeira vez que o local foi liberado desde 21 de abril, quando o governo decretou uma zona de exclusão de 20 quilômetros no entorno da usina. O terremoto e o tsunami de 11 de março provocarem uma crise nuclear na área, afetando os sistemas de refrigeração dos reatores, o que gerou explosões e vazamento de radiação.

No total, mais de 85 mil pessoas foram enviadas a abrigos. Na área entre 21 e 30 quilômetros da usina, a ordem inicial foi para as pessoas evitarem sair de casa, mas posteriormente também houve ordens para que deixassem suas casas.

Hoje, 95 pessoas de Kawauchi-mura, uma vila a sudoeste da usina, receberam equipamentos para visitar suas casas por duas horas. Um morador, Masao Yanai, confessou em entrevista à emissora TV Asahi que estava nervoso com o retorno. "Autoridades dizem que o nível de contaminação radioativa não deve prejudicar a saúde humana. Mas, sim, a contaminação é um pouco preocupante."

Investigação

Também nesta terça-feira, o primeiro-ministro, Naoto Kan, disse que o governo prepara um comitê investigativo independente para avaliar o acidente nuclear. "Ele será independente, aberto e abrangente em sua natureza", explicou Kan. O comitê deve enfocar apenas o acidente nesta usina.

Kan disse também que o governo compartilha a responsabilidade pelo fracasso em prevenir o acidente, junto com a operadora da usina, a companhia Tokyo Electric Power (Tepco). Para assumir a responsabilidade, Kan disse que irá devolver seu salário como primeiro-ministro até a crise ser controlada. Mas ele disse que manterá seu salário como parlamentar. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.