Japão lidera a aplicação de sanções à Coréia do Norte

O Governo japonês adotou mais sanções contra a Coréia do Norte que incluem um embargo total às importações do país comunista durante seis meses, a partir deste sábado. As sanções já impostas pelo Executivo japonês também proíbem que os navios norte-coreanos atraquem nos portos japoneses e que oscidadãos da Coréia do Norte entrem no Japão.Todos os navios norte-coreanos atracados em portos japoneses deverão abandoná-los até amanhã. Hoje, havia 22 navios norte-coreanos nos portos de Otaru, Maizuru, Sakai e Shimonoseki.Quanto à proibição de importações norte-coreanas - cerca de 14,4 bilhões de ienes (US$ 122 milhões) -, não se espera que tenha efeitos muito negativos na economia norte-coreana, que depende em 70% do fornecimento de seu principal aliado, a China.CompensaçãoO Governo japonês também anunciou nesta sexta-feira uma série de medidas para compensar as empresas japonesas que negociavam até agora com a Coréia do Norte para evitar os prejuízos econômicos desta série de medidas contra o regime norte-coreano pelo teste nuclear realizado na segunda-feira.As sanções impostas esta semana pelo Japão à Coréia do Norte estão baseadas em uma normativa que permite proibir a entrada de determinados navios em portos japoneses e na lei de comércio e intercâmbio monetário, revisada em 2004, para permitir a Tóquio a imposição de sanções próprias.PioneiroO Japão foi o primeiro país a recorrer a essas sanções unilaterais como castigo contra a Coréia do Norte por seus últimos passos nucleares. Tóquio já tinha imposto a Pyongyang outras sanções financeiras e que afetavam também a entrada de funcionários norte-coreano no Japão, quando em 5 de julho a Coréia do Norte lançou sete mísseis de teste, que caíram nas águas que separam os dois estados.O embaixador americano no Japão, Thomas Schieffer, afirmou que Washington confia em uma "contribuição significativa" de Tóquio caso o Conselho de Segurança da ONU imponha as sanções internacionais que está considerando atualmente.Entre tais sanções se poderia contemplar o embargo de mercadorias e inclusive a inspeção de navios, caso se decretasse algum tipo de bloqueio naval. A Coréia do Norte já advertiu que considerará ações deste tipo uma declaração de guerra. Sobre a revista de navios, a aplicação parcial do Capítulo 7 da Carta das Nações Unidas permitiria a inspeção de cargas norte-coreanas e dirigidas ao país para impedir o tráfico e contrabando de armas nucleares, biológicas e químicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.