Japão: manobra de avião fere 35 pessoas

Pelo menos 35 pessoas que estavam a bordo de um Boeing 747-400 da Japan Airlines (Jal) ficaram feridas hoje, quando o piloto precisou fazer uma manobra brusca para evitar um choque em pleno ar com outro avião da mesma empresa que vinha em sua direção. O Boeing levava 411 passageiros e mais 16 tripulantes.Segundo a porta-voz do aeroporto Haneda de Tóquio, Yuki Kobayashi, os feridos estavam no vôo 907, que fazia a rota entre a capital japonesa e a cidade de Naha, na ilha de Okinawa, no sul do país. Segundo o porta-voz da Jal, Taeshi Suzuki, a maioria dos feridos sofreu contusões leves, mas três passageiros, incluindo uma mulher de 54 anos que quebrou uma perna, encontravam-se em estado grave.O outro avião, que partiu de Pusan, na Coréia do Sul, transportando 237 passageiros e 13 tripulantes, aterrissou com segurança no aeroporto internacional Narita de Tóquio, que fica a cerca de 100 quilômetro de Haneda. O aparelho, um DC-10, fazia o vôo 958 e era comandando pelo piloto Tatsuyuki Akazawa, de 45 anos. Ninguém ficou ferido.O incidente ocorreu sobre o município de Shizuoa, a cerca de 100 quilômetros a sudoeste de Tóquio. Quinze minutos depois de ter decolado, a 11.212 metros de altura, Makoto Watanabe, de 40 anos, que pilotava o avião onde os passageiros ficaram feridos, alertou a torre de comando que o alarme de colisão soou no cockpit. O alarme está programado para soar entre 25 e 40 segundos antes de uma colisão iminente, caso nenhuma medida seja tomada para mudar o curso do avião.De acordo com os planos de vôo, as rotas dos dois aviões deveriam se cruzar, mas a uma distância de pelo menos 600 metros entre eles. O vice-presidente da Jal, Yasushi Yasusa, disse, durante uma entrevista coletiva, que ainda não está claro o motivo de os dois aparelhos terem passado tão perto um do outro. "Nunca vi dois aviões voando tão perto", disse um passageiro não identificado à rede de televisão japonesa NHK. "Pensei que fôssemos bater". Outros passageiros afirmaram que o avião deu um tranco e começou a perder altitude rapidamente. Vários passageiros foram levados por ambulâncias.Dois jovens americanos - Meggan Wesche, de 15 anos, e Allison Ambrose, de 14, ambos do Estado de Michigan - foram hospitalizados com ferimentos leves. Segundo Yumiko Ishida, diretor do hospital para onde os adolescentes foram levados, Meggan estava viajando para a base aérea norte-americana de Kadena, em Okinawa, onde seus pais estão posicionados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.