Japão não fornecerá energia à Coréia do Norte, diz premier

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que o acordo firmado nesta terça-feira, 13, pelos representantes de seis países em Pequim não significa que Tóquio vá fornecer energia à Coréia do Norte.Representantes das duas Coréias, dos EUA, da Rússia, do Japão e da China assinaram um documento que estabelece os primeiros passos para o encerramento do programa nuclear do país comunista. Em troca, as cinco nações devem fornecer auxílio energético a Pyongyang.Durante esta manhã, Abe já afirmara que o Japão não enviaria ajuda à Coréia do Norte, caso as negociações sobre os seqüestros de cidadãos japoneses no país comunista, nas décadas de 70 e 80, não avançassem.De acordo com a agência japonesa Kyodo, no entanto, o primeiro-ministro do país teria afirmado, após o anúncio do acordo, que está disposto a cooperar para que a Coréia do Norte não fique sem fornecimento de energia.O ministro de Exteriores do Japão, Taro Aso, também afirmou que seu país continua exigindo a solução dos seqüestros. "Não podemos dar nossa cota à Coréia do Norte, se não houver avanços na questão dos seqüestros", disse Aso.Inicialmente, o acordo prevê que a Coréia do Norte desligue, dentro de 60 dias, o reator nuclear de Yongbyon, em troca de uma ajuda inicial de 50 mil toneladas de óleo combustível. Essa ajuda poderá ser aumentada para mais de 950 mil toneladas, caso o desligamento definitivo dos reatores seja confirmado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.