Kyodo News/AP
Kyodo News/AP

Japão ordena inspeção de túneis após tragédia

Idade de passagem subterrânea é a primeira causa apontada para o acidente que deixou nove mortos

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2012 | 18h42

TÓQUIO - O governo do Japão ordenou nesta segunda-feira, 3, a inspeção imediata de todos os túneis do país horas depois de nove pessoas morrerem em um desabamento ocorrido no interior de um deles, em uma estrada cerca de 80 quilômetros a oeste de Tóquio, na região de Yamanashi.

Parte do teto de um túnel desabou sobre carros que passavam pelo local no fim da noite de domingo, pelo horário local, matando pelo menos nove pessoas e deixando outras duas feridas, segundo informações oficiais. As nove vítimas estavam viajando em três veículos no túnel construído na estrada que liga a capital à região central do país.

Com o acidente, dois carros pegaram fogo, produzindo uma fumaça escura que inicialmente impediu as ações das equipes de socorro. O desabamento aconteceu a cerca de 1,7 quilômetro da entrada do Túnel Sasago, que tem 4,7 quilômetros de extensão.

A distância entre a entrada da estrutura e o local do desabamento também dificultou as operações de resgate. A busca por outros feridos foi suspensa na manhã desta segunda-feira, enquanto o teto era reforçado para evitar novos acidentes.

Após o acidente, o Ministério dos Transportes do Japão ordenou a inspeção em outros 49 túneis e estruturas semelhantes de estradas e rodovias controladas pelo governo. "Suspeitamos que a idade (do túnel, construído em 1977) é uma das primeiras causas possíveis (para o desabamento)", declarou à France Press um funcionário da Central Nippon Expressway Company (Nexco), concessionária responsável pela administração da rodovia onde ocorreu o desastre.

Estima-se que 270 blocos de concreto, cada um com cerca de 1,5 tonelada, tenham despencado do teto do Túnel Sasago. Outras construções que utilizem o mesmo tipo de blocos de concreto também serão fiscalizadas.

Com Dow Jones e AP

Mais conteúdo sobre:
Japãotúnel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.